Many names

Quando considero a minha vida fico apavorado ao achá-la informe. A existência dos heróis, aquela que nos contam, é simples: vai direita ao fim como uma seta. E a maioria dos homens gosta de resumir a sua vida num preceito, por vezes uma jactância ou numa lamentação, quase sempre numa recriminação; a sua memória fabrica-lhes complacentemente uma existência explicável e clara. A minha vida tem contornos menos firmes. Como sucede frequentemente, é talvez o que não fui que a define com maior justeza: bom soldado, mas não um grande homem de guerra; amador de arte, mas não aquele artista que Nero julgou ser, ao morrer; capaz de crimes, mas não carregado de crimes.
Marguerite Yourcenar, Memórias de Adriano, trad. de Maria Lamas, Ulisseia, p.25



6 comentários:

  1. É curioso que, dos 2 poemas de Montale que ontem traduzi, aquele que não cheguei a"postar",quase roça o tema glosado pela Yourcenar, neste seu excerto.
    Bom domingo!

    ResponderEliminar
  2. Um dos livros mais belos da M.Y. tão atual na vivência de cada um.
    Uma boa aliança com Thomas Feiner.
    Boa tarde!

    ResponderEliminar
  3. Para APS: les beaux esprits...:-) E fico curiosa porque gostei do Montale...

    Para Ana: Um livro absolutamente extraordinário, sem dúvida. Boa semana!

    ResponderEliminar
  4. Venho desejar um Feliz 2013.
    Outro desejo: que nos possamos visitar mais.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  5. Olá, parabéns pelo blog!
    Se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderEliminar
  6. Há muitos nomes mas há sempre um que suplanta os outros:
    - António;
    - Sofia.

    ResponderEliminar