Os cavalos também se abatem




Sydney Pollack, They shoot horses don't they?, 1969


A propósito de ontem ter sido o Dia Mundial da Dança, e porque, de facto, a História repete-se...

8 comentários:

  1. Belíssimo filme de um,também, belíssimo romance. Há outras danças, para além das clássicas...

    ResponderEliminar
  2. Já mal me lembro do filme, meu caro C.a., mas lembro-me bem da ideia. É uma ideia sempre actual, mas mais actual ainda em certas conjunturas, como a presente. Creio que devo a este filme a minha aversão profunda a concursos de dança.

    ResponderEliminar
  3. Já se disse tudo. O filme é belíssimo e esta é uma dança pensante...sobreviver!

    ResponderEliminar
  4. Como APS acima já referiu, é um filme magnífico, minha cara Luísa, que tem por base um livro igualmente magnífico. O que mais me impressionou foi a capacidade de criar, a partir de um contexto real (as maratonas de dança, muito populares nos EUA durante a Grande Depressão), uma fabulosa alegoria sobre a condição humana.
    Vi este filme na televisão um par de vezes, há muitos anos, e nunca mais o esqueci. Apetecia-me revê-lo porque, como bem refere, é impossível não estabelecer relações com a realidade actual.

    E é como diz, Ana. É a dança da sobrevivência.

    ResponderEliminar
  5. Grande escolha para assinalar o Dia Mundial da Dança.

    ResponderEliminar